Resenha: O Teorema Katherine

Nome original do livro: An Abundance of Katherines

Gênero: Romance adolescente

Autor (a): John Green

Editora: Intrínseca


tk

Acho que provavelmente todos vocês já leram algum romance do John Green e se encantaram. Se eu estiver errada, vá imediatamente na livraria mais próxima de você e compre! Qualquer um! Eu dou minha garantia de que são todos apaixonantes.

  O primeiro livro desse cara, o qual eu considero como um gênio, que eu li foi nada mais nada menos que: A Culpa é das Estrelas. Então na medida que ia passando por cada página, cada capítulo, eu fiquei encantadíssima com a forma que esse homem relata a vida dos seus personagens, de uma forma fácil de entender… é um modo tão real e me pergunto como, de onde ele consegue tirar tantas coisas da vida cotidiana dos adolescentes, como ele consegue compreender… pois nós adolescentes não somos fáceis de entender. O livro acaba se tornando o seu melhor amigo pela forma que relata essa fase da nossa vida. É inexplicável! Eu sou APAIXONADA pelas obras desse cara.

  Sempre fico meia insegura na compra de um livro… tenho muito medo de me decepcionar com a história. Como tenho muita curiosidade em ler tudo o que está relacionado a John Green, eu fiquei pelo menos uns três meses decidindo se comprava esse livro ou não.

  
O que resolvi fazer…

  Saí por aí perguntando a todo mundo, que eu sabia que o tinha lido, o que tinham achado da historia. Resultado: todas, TODAS as pessoas as quais perguntei me falaram que era um livro chato, cansativo, com muita matemática e não acabou por aí… Acabei colocando na cabeça que ele era realmente chato.

  Daí então, ao ler mais algumas obras do autor, eu decidir que ia ler esse tão condenado livro e ia tirar minhas próprias conclusões sobre ele. 

  Ao saber que eu queria ler O Teorema Katherine, meu querido amigo, Gabriel me deu de presente de aniversário! E confesso, não teria melhor presente para me dar, porque eu simplesmente AMEI esse livro! (Me chamem de louca, mas é a verdade).

  Então vamos lá ao que interessa…

 “Quando se trata de garotas (e, no caso de Colin, quase sempre se tratava), todo mundo tem seu tipo. O de Colin Singleton não é físico, mas linguístico: ele gosta de Katherines. E não Katies, nem Kats, nem Kitties, nem Cathys, nem Rynns, nem Trinas, nem Keys, nem Kates, nem – Deus o livre – Catherines. K-A-T-H-E-R-I-N-E.  Já teve dezenove namoradas. Todas chamadas Katherine. E todas elas – cada uma, individualmente falando – terminaram com ele.”

Bom… Colin Singleton é um garoto de 17 anos, prodígio, fã de anagramas e que acabou de levar seu 19º pé na bunda de mais uma Katherine. Para não correr o risco do amigo ficar em casa, esperando que a tal garota ligue e nem correr o risco de ele ligar pra ela, Hassan, o melhor amigo de Colin, decide meter o pé na estrada com o amigo. Eles pegam o Rabecão de Satã e partem juntos para essa aventura.

  Eles acabam atraídos por uma pequena cidade no Tennessee e lá, conhecem a Lindsay, uma garota caípira que só namorou um cara da vida e esse cara se chama Colin (OOC).

 Essa aventura você vai conhecer/viver apenas lendo esse livro incrível. É uma história bastante divertida, humorística, narrada de uma maneira levíssima. Pode ficar tranquilo que não é triste como os livros de John Green costumam ser… (quem já leu “A Culpa é das Estrelas” e “Quem é Você, Alasca?” sabe do que eu estou falando) e você vai se apegar bastante aos personagens. 

  Eu considero esse livro como um desafio. Não curto muito a matemática, mas nele, eu quis parar, analisar e pensar na forma como Colin construía seus gráficos. É bastante interessante e você fica se perguntando: UAU! De onde veio isso?? Como ele pensa assim??

  Cada personagem tem características marcantes, você com certeza vai desejar em algum momento que tal personagem crie vida própria e vire seu melhor amigo. 

  Gente… é bastante difícil falar sobre esse livro, então incentivo vocês a comprarem/pedir emprestado, pois eu realmente achei que valeu a pena essa leitura. 

 É uma história contada pelo ponto de vista de Colin, contém muitos roda pés, o que achei interessante para entendermos de fato o que estava sendo falado pelos personagens, há também muitas gírias das quais você vai se viciar e vai acabar falando elas na vida real (aconteceu isso comigo).

  O que falar da capa? MARAVILHOSA! Linda. É uma das capas mais lindas que tenho na minha estante. É simples, mas é a simplicidade que faz uma capa bonita.


Gente, perdão pelo tempo que passei sem postar aqui, eu estou em época de prova no colégio, inclusive eu deveria estar estudando agora, mas resolvi tirar um tempinho pra vir atualizar o blog. Peço que deixem comentários falando o que estão achando e qual livro vocês querem que eu resenhe, ou uma tag, o que for… Deixem nos comentários.

Por: Maria Fernanda